Entre fotos amareladas
Cartas rasgadas
Poemas quebrados
Em falas sem nexo
No meu mundo complexo
Que só eu entendo
E que não tem mas graça

No fundo de uma gaveta
Encontrei um desenho
Rabiscado atrás de uma prova
Manchado
Por gotas de sei lah o que
Eu amava tanta gente
Tantos amigos na ponta do lápis
Foram se apagando no fundo da gaveta

Mas lamentar não vou
Não perdi minha índole
Ainda penso do mesmo jeito
E minhas ações são movidas pelos mesmos motivos
E ainda existem pessoas que eu amo
O verdadeiros amigos não são simples desenhos
São tatuagens na minha memória
Não podem ser apagados como desenhos feitos a lápis

4 comentários:

e eu estou por aqui, salvando a sua pele e ativando os comentários do seu blog... afinal de contas... eu te amo e vc eh o meu amigo da sorte!!!

 

e não se esqueça do desafio!!!

 

teatro mágico, encantando sempre. / que linda declaração no comentário acima, rs

 

é
a gente se ama
como num clipe do Barney